Minhas Redes Sociais
Facebook
Twitter
Orkut
RSS
 
> Principal > Notícias > Improbidade Administrativa > MP-BA pede afastamento do prefeito de Santo Amaro por improbidade administrativa



MP-BA pede afastamento do prefeito de Santo Amaro por improbidade administrativa
Data 10/01/2018 as 10:06 h  Autor naupati  Vezes 8  Idioma

O prefeito de Santo Amaro, Flaviano Rohrs da Silva (DEM), é alvo de uma ação civilpública por ato de improbidade administrativa. Proposta pelo Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), na segunda-feira (8), a ação questiona o decreto de situação de emergência feito "com o objetivo de flexibilizar procedimentos licitatórios" e pede o afastamento imediato do gestor municipal. Segundo o promotor de Justiça João Paulo Santos Schoucair, responsável pela ação, após decretar estado de emergência na cidade, o prefeito realizou contratação direta da empresa "Derivados de Petróleo Sergy", mediante processo ilegal de dispensa de licitação, para o fornecimento de combustíveis e óleos lubrificantes no valor de R$ 1,135 milhão. A empresa também foi acionada pelo MP-BA. “O preço cobrado na contratação, R$ 3,47 pelo litro da gasolina comum, não trouxe qualquer tipo de proveito econômico para a municipalidade, pelo contrário, existia aqui outro posto de combustível com preço menor, no valor de R$ 3,32”, destacou o promotor de Justiça. Além disso, Schoucair pontua que o gestor municipal promoveu a Festa da Purificação 2017, com diversas atrações e “gastos exorbitantes, num cenário de descredenciamento de qualquer possibilidade de estar o Município mergulhado na desordem e caos”. Diante disso, o promotor quer o afastamento de Silva pelo prazo de 180 dias e o decreto de medida liminar de indisponibilidade dos bens dos acionados até o limite de R$ 2,703 milhões. A ação pede ainda que a Justiça condene os acionados nas sanções previstas na Lei de Improbidade Administrativa, com o ressarcimento integral do dano, se houver perda da função pública; suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos; pagamento de multa civil de até 100 vezes o valor da remuneração percebida pelo agente; e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, pelo prazo de três anos.

Bahia Notícias 


 


Comente via Facebook
Não há comentários.
Visitantes
US 54.234.x.x
Unknown 203.92.x.x
CN 116.242.x.x
Unknown MSN spider
Usuários
Olá Visitante
IP: 54.234.45.10

Usuário
Senha