Minhas Redes Sociais
Facebook
Twitter
Orkut
RSS
 
> Principal > Notícias > Saúde Pública > Medicina preventiva, uma realidade desprezada pelos gestores públicos.



Medicina preventiva, uma realidade desprezada pelos gestores públicos.
Data 06/12/2017 as 11:27 h  Autor naupati  Vezes 135  Idioma



A medicina preventiva é o grande filão para que possamos resolver os problemas que afligem nossa população nos dias atuais. Uma boa alimentação, exercícios físicos regulares e disciplina nos horários de sono, são os ditames para que tenhamos sucesso no campo da saúde.
 


Em Barreiras já houve uma tênue tentativa para que a medicina preventiva fosse tocada, programa que levaria bom tempo para ser concretizado, mas que traria, certamente, melhoria na saúde do noss povo.

Com a medicina preventiva, o custo benefício que hoje é dispendido traria reduções futuras, mas tal prática conta com muitos opositores, boa parte de médicos e, até – pasmem – pela rede mundial dos grandes laboratórios, que teria, com a prevenção, diminuição nas suas vendas no Brasil.

Como o atraso em qualquer iniciativa dos nossos governos sempre foi uma constante, bom seria que parte dos recursos direcionados ao modelo atual fosse aplicada na prevenção, estimando-se que pelo menos em dez anos os valores despendidos comecem progressivamente a cair.

Para que alcancemos um patamar que mostre as vantagens da medicina preventiva, há de ter qualquer gestor à sabedoria e a coragem para abraçar a causa.

Passaríamos, por exemplo, a não mais presenciarmos hospitais e postos de saúde eternamente repletos, como o Eurico Dutra, onde os auxiliares recém-contratados receberam botas já utilizadas pelos que foram afastados, além de roupas no mesmo estado.

No Eurico Dutra, quando chove, é uma “valha-me Deus” e só no Centro Cirúrgico não há enchente. O pessoal da limpeza diz que o lanche é horrível, um pão seco com margarina, café ralo e bolacha seca. Uma espécie de desestímulo a quem trabalha. Lá, faça-se justiça, a limpeza é eficiente.

Mesmo com tanta deficiência, não podemos esquecer a boa vontade da maioria dos funcionários e do corpo médico, atendendo aos que lá se deslocam, com curativos, consultas e intervenções cirúrgicas, o que tem aliviado o HO, que antes muito sofreu com excesso de pessoas que o procurava.

Itapuan Cunha

Editor 


Comente via Facebook
Não há comentários.
Visitantes
US 54.234.x.x
Unknown 173.252.x.x
US Google spider
Usuários
Olá Visitante
IP: 54.234.247.118

Usuário
Senha